Arquivo da tag: Política

programação CCJ

Atividades integrantes da programação do CCJ.
Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso – São Paulo/SP
Av. Deputado Emílio Carlos, 3.641. Vila Nova Cachoeirinha. Zona Norte.
(ao lado do terminal Cachoeirinha) / Tel: (11) 3984-2466

 

Arte como ferramenta política: como transformar a realidade através da arte?

O encontro integra o ciclo de debates “O Outro ao Lado”, programação organizada pela equipe de monitoria do CCJ como atividade do Programa Jovem Monitor. Os debates do ciclo proprõem a reunirão de artistas com origens, produções e tempo de atuação bastante distintos, em conversas comuns, buscando assim uma discussão aprofundada sobre as relações centro e periferia, instituições e produção cultural independente, o reconhecido e o anônimo.

Com: Mônica Nador, artista plástica e criadora do JAMAC (Jardim Miriam Arte Clube); Cibele Lucena, artista visual, educadora e integrante dos coletivos Contrafilé, Frente 3 de Fevereiro e Política do Impossível; e Vermelho Queimado, artista plástico e grafiteiro. Mediação: Bruno Perê, artivista visual.

Dia 12/02, sábado, 16h. Espaço Sarau.

 

I Concurso Nacional de Animação para Internet – CCBB

Inscrições até 12 de abril de 2011

Os Centros Culturais Banco do Brasil e Anima Mundi promovem o Água em Movimento – 1º Concurso Nacional de Animação para Internet.

O tema do concurso aborda a preservação da água. A expectativa é estimular o debate sobre o uso sustentável, o consumo consciente e a conservação dos recursos hídricos pela sociedade brasileira. Além de fomentar a realização de filmes de animação e o surgimento de novos roteiristas, animadores e diretores de animação no Brasil.

Durante esse período, as animações inscritas serão postadas automaticamente para exibição no canal do Anima Mundi no youtube, aberto exclusivamente para o concurso.

Após o encerramento das inscrições, os filmes ficarão disponíveis para receberem votos dos internautas e os vencedores receberão os prêmios durante o 19º Anima Mundi, que será realizado de 15 a 31 de em julho de 2011, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acesse aqui o site para consultar o regulamento e as inscrições.

 

INSCRIÇÕES: FESTIVAL REVIVA RAP

Inscrições abertas para seleção de 20 grupos de rap. O festival será realizado em duas etapas, no CCJ, nos dias 19/03 e 16/04. Em cada uma serão selecionados 4 finalistas que integrarão uma coletânea a ser lançada em julho de 2011. Acesse a ficha de inscrição no site www.vozdarua.com.br/revivarap e boa sorte!

20 vagas. Inscrições até 20/02 pelo e-mail revivarap@gmail.com

 

OFICINA DE COLAGEM

Explorando as possibilidades de materiais diversos, os participantes poderão criar e customizar objetos por meio da técnica da colagem utilizada enquanto linguagem artística e objeto de uso. Com: Bárbara Pina.

Dias 16, 18 e 19/02, quarta, sexta e sábado, das 15h às 17h. Foyer do Anfiteatro.

16 a 29 anos. 12 vagas. Inscrições a partir de 01/02, na recepção. Critério de seleção: ordem de inscrição.

 

NUCLEO DE DIREÇAO TEATRAL

A II Trupe de Choque abre seu processo de criação por meio dos Núcleos de Pesquisa Peripatética. Os participantes integrarão o trabalho de investigação do grupo na construção de um espetáculo sobre os temas: Material Tebas, Eldorados e 11 de setembro. Apoio: Programa Municipal de Fomento ao Teatro.

De 02/02 a 27/07. Quartas, das 19h às 21h30. Anfiteatro.

+14 anos. 50 vagas. Inscrições até 06/02, na recepção ou pelo e-mail inscricoes.ccj@gmail.com.

 

DUO ABANÃ – “CANTO LÍRICO DE ORIXÁS”

O Duo é formado pelo violonista Giovanni Di Ganzá e pela cantora lírica Vanessa Teixeira, músicos de formação erudita que pesquisam composições da música afro-brasileira e da nossa de música popular. Convidados: João Nascimento (percussão) e André Fabiano (flauta transversal).

Dia 27/02, domingo, 14h. Área de Convivência. Livre. 60 minutos.

Saiba mais sobre o projeto:
“Canto lírico de Orixás” é o trabalho em que o Duo Abanã interpreta a musicalidade sacra afro-brasileira, baseando-se principalmente nas pesquisas de etno-musicólogos do Brasil.

Links: myspace / youtube / duoabana.blogspot.com
CD demo para baixar: clique aqui

 

MANU CHAO: 5 anos de CCJ

Manu Chao é reconhecido internacionalmente pela variedade de estilos musicais como reggae, hip hop, música caribenha, flamenco, bolero e rock. Canta em inglês, francês e espanhol e é referência da cultura latino-americana pela forma como eleva musicalmente as frustrações e aspirações populares. Tem uma forte relação afetiva com o Brasil, acrescentando em sua vasta bagagem cultural as sonoridades brasileiras.

O evento abre as comemorações do aniversário de 5 anos do CCJ, que reunirá uma série de programações especiais distribuídas ao longo de 2011.

Dia 13/02, domingo, 15h. Em frente ao CCJ.
Livre. Não é necessário retirar ingressos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

formação 19/nov – 29ª Bienal

Aos artistas-educadores do projeto:

Dando continuidade às visitas de formação que fizemos no primeiro semestre na  Bienal, nessa sexta, dia 19 de novembro, nossa formação será uma visita à 29ª Bienal Internacional de Arte de São Paulo. Fica no Parque do Ibirapuera e nos encontraremos às 9h30, pedimos atenção com o horário, pois a visita tem hora marcada.

Um dos motivos dessa visita, é que o tem abordado na exposição é ARTE E POLÍTICA e assim, poderemos fazer uma reflexão a partir do nosso trabalho artístico, nosso contexto e nossa prática educativa. Esta edição da Bienal está ancorada na ideia de que é impossível separar a arte da política. “Essa impossibilidade se expressa no fato de que a arte, por meios que lhes são próprios, é capaz de interromper as coordenadas sensoriais com que entendemos e habitamos o mundo, inserindo nele temas e atitudes que ali não cabiam e tornando-o, assim, diferente e mais largo.

É nesse sentido que o título dado à exposição, “Há sempre um copo de mar para um homem navegar sintetiza o seu objetivo: afirmar que a dimensão utópica da arte está contida nela mesma, e não no que está fora ou além dela. É nesse “copo de mar” – ou nesse infinito próximo que os artistas teimam em produzir – que, de fato, está a potência de seguir adiante, a despeito de tudo o mais; a potência de seguir adiante, como diz o poeta, “mesmo sem naus e sem rumos / mesmo sem vagas e areias”. Pretende, por tudo isso, envolver o público na experiência sensível que a trama das obras expostas promove, e também na capacidade destas de refletir criticamente o mundo em que estã0 inscritas. Enfim, oferecer exemplos de como a arte tece, entranhada nela mesma, uma política.”

Nossa visita será guiada pelos monitores da exposição e seremos dividos em grupos misturando todas as linguagens. Ao final, discutiremos sobre a visita e depois, tomaremos o lanche, às 12h.

Data: 19/11/2010
Horário: 9h30
Endereço: Parque Ibirapuera • Portão 3 • Pavilhão Ciccillo Matarazzo
mais informações no site da Bienal

Qualquer dúvida, entrem em contato com Nina ou o coordenador de sua regional. Até mais!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A transformação da paisagem cultural brasileira

O governo Lula foi marcado por uma política cultural de Estado e não de governo

Por Laymert Garcia dos Santos*

A elite brasileira costuma considerar a cultura em duas chaves: como cultura superior, ela é ornamento de luxo, ilustração, traço de distinção; como cultura de massa, é produto de consumo, mercadoria, na lógica da indústria cultural e do entertainment. E foi também nessa perspectiva que os sucessivos governos trataram a cultura brasileira, desde os tempos da ditadura. Até o governo Lula. Por isso mesmo, em termos propriamente culturais, o Ministério da Cultura foi irrelevante desde sua criação em 1985. Foi preciso esperar a ascensão de um presidente-operário e a nomeação de um ministro “negromestiço”para que, enfim, o país tivesse uma política de Estado para a cultura, à altura da riqueza, da diversidade e da inventividade do povo brasileiro. Como se a elite colonizada-colonizadora fosse incapaz de reconhecer a importância estratégica da cultura para a construção de uma nação e de um futuro.

Basta ler o discurso de posse de Gilberto Gil como ministro da Cultura, em 2 de janeiro de 2003, para perceber que uma página foi virada e que entrávamos numa nova era. Olhando pelo retrovisor, sete anos e meio depois, fica evidente que tudo já estava lá, nesse discurso que as gerações vindouras certamente vão definir como histórico. Com efeito, descartando as concepções dominantes, Gil colocou a cultura numa outra dimensão e o ministério num outro patamar. E se isso até hoje não foi captado com clareza por todos os setores da sociedade brasileira, foi porque a existência de uma política cultural verdadeira contou com a incompreensão, mas também com a má fé dos lobbies e dos interesses estabelecidos, que não queriam mudança alguma e desejavam a manutenção de uma hegemonia anacrônica, que passava a ser contrariada. Gil entendeu que fora escolhido precisamente por um homem do povo “e que, como o seu povo, jamais abriu mão da aventura, do fascínio e do desafio do novo”. “E é por isso”- disse ele – “que assumo, como uma das minhas tarefas centrais, aqui, tirar o Ministério da Cultura da distância em que ele se encontra, hoje, do dia a dia dos brasileiros”.

Valendo-se de um conceito antropológico de cultura (à maneira de Darcy Ribeiro), ancorado no nosso saber e no saber fazer, nos nossos gestos, nos nossos jeitos, Gil pensa a cultura como “usina de símbolos de um povo” e, por isso, propôs que o ministério fosse “como uma luz que revela, no passado e no presente, as coisas e os signos que fizeram e fazem, do Brasil, o Brasil”. E formulou, com a cúpula do MinC – que tinha como secretário-executivo Juca Ferreira, posteriormente seu sucessor na pasta -, as linhas mestras de uma estratégia que encarasse de frente o paradoxo central da questão cultural no Brasil: um povo detentor de imensa criatividade, mas sem acesso à produção cultural! Um povo que nunca pôde ir ao cinema, nunca entrou num teatro, nunca viu uma exposição e que, no entanto, inventou, por exemplo, a escola de samba (“escola da vida”), essa ópera de rua fantástica, encenada por milhares de pessoas, que transforma miséria em riqueza, falta em abundância, negatividade em afirmação. Enfrentar o paradoxo significava colocar a pergunta: o que faria um povo com tanto potencial e capaz de tanta potência se tivesse, além do acesso aos meios, o reconhecimento de seu valor?

Nem o Estado nem o mercado haviam até então colocado a questão nesses termos. Assim, durante os primeiros anos, foi preciso desenhar uma estratégia cultural de Estado, não de governo, isto é, um conjunto de políticas públicas que tornasse o MinC uma instituição capaz de mobilizar as forças culturais existentes no país, em vez de continuar como mero repassador de verbas públicas para o setor privado, no velho esquema clientelista. Para tanto, foi preciso, antes de tudo, construir inteligência no âmbito do próprio ministério, atraindo jovens profissionais bem preparados e entusiasmados com a nova proposta, e refuncionalizando as estruturas remanescentes. Foi preciso, ainda, elaborar um amplo diagnóstico das condições de produção e de acesso aos bens culturais em todo o país, identificar os agentes culturais, as carências, os obstáculos e os pontos de estrangulamento, rever as legislações pertinentes (como a Lei Rouanet e a Lei do Direito Autoral). Foi preciso atentar para as manifestações da cultura não oficial, para as formas de expressão das periferias, como a pichação, o funk e o hip-hop, e construir as condições e os espaços para que a juventude e as populações tradicionais marginalizadas, como os povos indígenas e os quilombolas, começassem a articular o potencial da diversidade cultural com o potencial da cultura digital. Foi preciso abrir uma discussão pública nacional sobre o estado da cultura no Brasil, por meio do Conselho Nacional de Política Cultural. Foi preciso estimular as pesquisas sobre os temas contemporâneos e o papel das novas tecnologias por meio da abertura de editais que visavam financiar novos projetos. Foi preciso re-estruturar os museus, apoiar a arqueologia, repensar o incentivo ao cinema e ao teatro, reavaliar o papel das artes plásticas, encontrar uma solução para salvar a ameaçada Bienal de São Paulo, com uma parceria público-privada.

Em suma, o MinC passou, portanto, a investir na elaboração e execução de um apolítica cultural como parte de um projeto geral de construção do Brasil contemporâneo, isto é, de construção de uma nação que afirma a sua presença no mundo globalizado por meio de uma diferença específica, de seus potenciais, de seus recursos e de sua visão de futuro. Nesse sentido, vale também assinalar que, desde o início do governo Lula, a estratégia do ministério sempre esteve em sintonia direta com a nova política externa desenhada pelo Itamaraty e que agora se explicita com a entrada do Brasil no tabuleiro geopolítico mundial como um país de peso. Por isso, o MinC teve um papel central na promulgação da Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais da Unesco, aprovou em 2009 o selo Mercosul Cultural, realizou o Ano do Brasil na França, em 2005, e a Copa da Cultura na Alemanha, em 2006.

Um rápido balanço das realizações levadas a cabo pelo MinC durante as gestões de Gilberto Gil e Juca Ferreira permite captar de que modo a estratégia se traduziu em ações concretas e avaliar a atuação do ministério em várias frentes. Num plano mais geral, cabe assinalar que a consolidação institucional de uma política cultural pública se dá numa época em que a cultura se torna cada vez mais relevante do ponto de vista econômico. Assim, de 1994 a 2008, a participação do setor no PIB aumentou de 0,8% para 4%. Outro indicador importante: entre 2003 e 2008, a renúncia fiscal mobilizada para a produção cultural aumentou de 300 milhões de reais para 1 bilhão de reais. Portanto, o projeto do MinC inscreve-se num processo de transformação socioeconômico que o crítico literário e político marxista americano F. Jameson qualificou como “a virada cultural”do modo de produção.

Ora, o esforço de mobilização e de atualização dos agentes culturais de todo o Brasil para essa nova realidade se fez por meio da realização da primeira Conferência Nacional de Cultura, em 2007, e a segunda em 2010. Esse amplo processo de discussão e de consulta desembocou, por um lado, no Plano Nacional de Cultura, que visa implementar o Sistema Nacional de Cultura (já apoiado por 21 Estados e 1.971 Municípios) e, por outro, no projeto de lei do Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (Procultura), enviado ao Congresso Nacional, que visa corrigir as distorções da Lei Rouanet. Os adversários da nova política do MinC costumam combatê-la agitando o velho espantalho do “dirigismo estatal”, do “perigo”do “autoritarismo”, da ameaça à “liberdade de expressão”e à “livre-iniciativa”; mas ignoram sistematicamente o caráter democrático de uma proposta que pretende promover uma melhor distribuição do dinheiro público captado por meio da Lei Rouanet, combatendo a exclusão e a concentração cultural no Brasil.

Com efeito, pouca gente sabe que:

  1. de cada 10 reais investidos em cultura, 9,50 reais são públicos e 50 centavos são dinheiro do patrocinador privado;
  2. do 1 bilhão de reais anuais de renúncia fiscal, 80% vão para a Região Sudeste;
  3. só 14% dos recursos da renúncia fiscal vão para 30 segmentos que, somados, compreendem, entre outros, patrimônio, cultura popular, cultura afro-brasileira, cultura indígena, acervos, artesanato, bibliotecas, restauro, distribuição e exibição audiovisuais;
  4. a constituição de fundos setoriais permitiria uma redistribuição mais justa e quantitativa dos recursos, beneficiando regiões, populações, atividades e áreas até então excluídas ou desfavorecidas pelos mecanismos atuais;
  5. critérios explícitos e transparentes de aplicação desses recursos fortalecem a cidadania cultural e estimulam a inclusão sem demagogia, assistencialismo e a “filantropia” marqueteira que caracteriza muitos dos projetos financiados hoje pela Lei Rouanet.

O congresso deve se pronunciar proximamente sobre o novo enquadramento jurídico da cultura. Se aprovado, as bases para um salto cultural do país estarão lançadas. Mas o disparo já foi dado: de todas as iniciativas do MinC, a meu ver a mais original e promissora foi a criação de 2.500 Pontos de Cultura pelo Brasil afora, abrindo para 8 milhões de pessoas oportunidades de acesso à produção e à fruição de bens culturais. A meta é criar 5 mil pontos adicionais, no mínimo um por município. Se pensarmos que a eles devem se somar a adoção do Vale-Cultura e a ampliação do acesso à banda larga móvel para 125 milhões de pessoas, não restam dúvidas de que o MinC está mudando a paisagem cultural brasileira. O surto de criatividade que deve surgir nessas condições será contaminado pela dinâmica de um país emergente que já emergiu. Em termos de nossa inserção na segunda globalização, isso é importantíssimo. Afinal, será por meio da sua cultura que o Brasil poderá, mundialmente, dizer a que veio.

* Laymert Garcia dos Santos é doutor pela Universidade de Paris 7 e professor de sociologia da Unicamp. É autor, entre outros, de Politizar as Novas Tecnologias (Editora 34, 2003).

Fonte: Revista Cult, apud Luis Nassif.

via Celia Pecci

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos